💬 Apresente-se ao dadosabertos.social

Olá! Acabou de conhecer o fórum e está experimentando o conteúdo? :mag: Ou já lê e acompanha há bastante tempo, mas acha que nunca houve nada que tivesse vontade de escrever? :pencil2:

Qualquer que seja o seu caso, apresente-se aqui. :speech_balloon: Conte-nos um pouco da sua trajetória, :footprints: como conheceu e por que se interessou por dados abertos, o que você faz ou já fez, seja relacionado a esta temática ou não. Este espaço é destinado a isso, para que as pessoas que compartilham interesses em comum possam se conhecer e, quem sabe, estabelecer novos contatos e crescer a comunidade. :brick:

1 curtida

Vou começar me apresentando. Tentarei resumir uma longa trajetória relacionada a dados abertos, por isso o meu texto é um pouco longo. Mas, por favor, fiquem totalmente à vontade para se apresentar, mesmo que com mensagens curtas contando apenas o que você faz e qual é o seu interesse em relação a dados abertos.

Começando pela minha formação, sou bacharel em Matemática Computacional pela UFMG e mestre pela Universidade Católica de Brasília. Atuo como servidor público desde 2004. Mais informações sobre mim estão no meu perfil (sabia que você pode preencher seu perfil no fórum? Clique a bolinha no canto superior direito com as suas iniciais, depois selecione “preferências” e “perfil”. Inclusive ganha um emblema quem faz.) e no meu site herrmann.tech.

Meu interesse pelos dados abertos se iniciou em 2009, ano de lançamento dos portais data.gov (dos Estados Unidos) e data.gov.uk (do Reino Unido). Quando descobri que ambos os portais haviam sido feitos usando um software livre, o CKAN, tomei a iniciativa de traduzi-lo, pela primeira vez, para o português do Brasil. Comecei a participar da lista de e-mails Transparência Hacker, um coletivo onde as pessoas interessadas por dados abertos e transparência pública se juntavam na época. Também comecei a me envolver em outros projetos da Open Knowledge Foundation, com o Open Data Day e iniciativas como, por exemplo, o dataportals.org, que procura ser um índice de portais de dados abertos ao redor do mundo, e o publicbodies.org, que visa coletar informações gerais sobre todos os órgãos públicos.

Pouco depois, em 2010, surgiu a oportunidade de ir trabalhar no Ministério do Planejamento, após ter sido aprovado em outro concurso, e ajudar a idealizar, construir e implementar uma política de dados abertos para o governo federal. Entre 2010 e 2018, criamos e cuidamos da Infraestrutura Nacional de Dados Abertos – INDA, seu Comitê Gestor e suas normas; capacitamos cerca de 2 mil pessoas, sendo a maior parte delas servidores públicos, sobre diversos temas relacionados a dados abertos; estruturamos a Política de Dados Abertos do poder executivo federal com o Decreto 8.777/2016; criamos o portal dados.gov.br de maneira colaborativa; apoiamos a elaboração de dezenas de Planos de Dados Abertos de órgãos e entidades federais; trocamos experiências e apoiamos a criação de políticas de dados abertos em governos locais e integramos seus portais de dados ao dados.gov.br; entre outros.

Após 2019, a CGU assumiu a responsabilidade pela política e pelo portal de dados abertos no governo federal. Parei de atuar com dados abertos em nível central, mas, de certa forma, continuo atuando até hoje com dados abertos, dentre outras atribuições, organizando e implementando a publicação de alguns dos conjuntos de dados abertos da Secretaria de Gestão do Ministério da Economia. Para conhecer quais são esses dados, veja o evento que apresentamos no Open Data Day de 2022.

Além disso, em 2019 o @nitai e eu criamos este fórum para tentar organizar melhor o conteúdo que era discutido no grupo @dadosabertos no Telegram, o qual nós também havíamos fundado em 2016 após um Open Data Day.