Ambev elaborará modelo preditivo com dados estatísticos de acidentes de trânsito

A empresa Ambev elaborará um modelo de algoritmo preditivo de acidentes de trânsito, com base nos dados do Registro Nacional de Acidentes e Estatísticas de Trânsito (RENAEST) da Secretaria Nacional de Trânsito do Ministério da Infraestrutura.

O Extrato de Doação está no Diário Oficial da União de hoje, seção 3, pág. 123.

Ao consultar o Portal Brasileiro de Dados Abertos, não pude encontrar essa base de dados de acidentes de trânsito. Procurei pelos termos “Renaest”, “acidentes de trânsito” e “acidentes de tráfego”, filtrando pelo órgão Ministério da Infraestrutura (no portal antigo, já que no novo é muito difícil filtrar os resultados por órgão). Antes de disponibilizar os dados estatísticos para uma empresa, ainda que em troca de um serviço gratuito, o ministério deveria disponibilizá-lo à população em geral como dados abertos.

@Bruno, o que acha de solicitar via LAI ao Ministério da Infraestrutura as estatísticas de acidentes de tráfego da base de dados do Renaest?

Interessante, @herrmann !

Não sabia disso, mas vale a pena pedir acesso a essa base, sim. Vou fazer isso.

1 curtida

Achei algo aqui: Registro Nacional de Acidentes e Estatísticas de Trânsito
OBS: Não é possível realizar o download dos dados

Ipea (2015): Acidentes De Trânsito Nas Rodovias Federais Brasileiras Caracterização, Tendências E Custos Para a Sociedade

Dados Disponíveis Para Download: Atlas Da Violência do IPEA (dados de 1989 até 2019). Coincidentemente os dados após 2019 não estão disponíveis (vai ver colocaram sigilo de 100 anos).

Analisando os resultados de busca percebi que possuem também, dados fragmentados por estados, geralmente relatórios anuais em formato PDF dos respectivos órgãos de trânsitos locais.

1 curtida

Este site parece que contém dados mais completos. Fiz o teste e o download dos dados está funcionando.

2 curtidas

Obrigado por encontrar e compartilhar os links, pessoal!

É bom saber que os dados estão disponíveis, mas lamentável ver que a prática de não catalogá-los no portal de dados abertos continua bastante comum.